Feijoada de Idéias
 

Mudei de blog

http://manuscritospoeticos.blogspot.com



Escrito por um feij@o às 15h54
[] [envie esta mensagem]


 
 


Amar é ter todos os lugares do mundo para se estar e, mesmo assim, querer ficar num só; não para todo o sempre, mas necessariamente agora.

 

 



Escrito por um feij@o às 01h09
[] [envie esta mensagem]


 
 

Aquilo lá

 

Portal bidimensional da alegria

Caixinha encantada

Uma manga que alucina

 



Escrito por um feij@o às 16h25
[] [envie esta mensagem]


 
 

minúsculas impressões da aderência

 

fugiste tanto de mim

que me perdi

 

perdeste tanto enfim

que não venci

 

julgo que é assim,

plantando distâncias,

que me levas ao fim (.)

 



Escrito por um feij@o às 19h30
[] [envie esta mensagem]


 
 

Eu, estrangeiro de mim

 

Sinto que nada em mim é propriamente meu

Nem mesmo essa enorme saudade que carrego aqui dentro do peito

(Saudade de tudo aquilo que não vivi)

 

Ora! não me entregaram o manual desse jogo...

Decididamente, não entregaram.

No tabuleiro da vida sou apenas uma peça entre tantas.

 

Entretanto, tenho minhas especificidades:

Sou feito de ontem,

Minha cor é noite

E minha recompensa é o quase.

 

Eu é um nada bem aqui.

(Que me escapa)

 

 



Escrito por um feij@o às 02h01
[] [envie esta mensagem]


 
 


Bom

é ter com quem dividir um

(bom-bom)

 



Escrito por um feij@o às 01h53
[] [envie esta mensagem]


 
 

Da realidade só posso extrair o palpável

— é pouco, limitado, perecível.

Do sonho não. Dele vem o imaginável

— o que já é um bom começo.

 



Escrito por um feij@o às 02h25
[] [envie esta mensagem]


 
 

Minha poética

 

Não me agrada a limitação dos versos

Muito menos a complicação poética

Declaro morte aos decassílabos

Morte ao papel!

Que venha a anarquia poética

Quero uma dose de liberdade para a minha poesia

(e sem gelo, por favor)

Que ela possua até  mesmo a liberdade de não ser livre

E que ao surgir aqui dentro do eu-lírico

Dê prosseguimento dentro do ela-lírico

Ficando cativa como um poema dito de improviso

Numa única vez e sem registro

Apenas nós de testemunha

De um poema-segredo

Que servirá de selo para o nosso amor.

 



Escrito por um feij@o às 21h04
[] [envie esta mensagem]


 
 

Efeito boomerang

 

Lembra da pedra que me atirou?

Me acertou.

Ela passou a um metro de distância, é verdade,

Mas ao atingir o chão, podia jurar

Que tinha antes tocado meu coração.

E tocou.

Sua intenção ecoou fundo no peito

Ferindo e dilacerando-me por dentro

Num apropriado gerúndio interminável.

E sem volta.

 

Tudo aconteceu no primeiro instante em que

a pedra deixou de habitar sua mão:

Exatamente aí me acertara.

 

Entretanto, mais contundente ainda é o Amor

Que tendo o poder de mudar o mundo,

Transformará essa pedra, num segundo,

Em uma linda flor (pra te dar)



Escrito por um feij@o às 12h22
[] [envie esta mensagem]


 
 


Uma pontinha de inveja

 

Por esses dias, com Deus disputei

A fim de saber quem era o melhor poeta:

Fiz uma poesia que muito esmerei

E as metáforas mais lindas, coloquei todas nela

 

Abrindo a mão, Deus mostrou sua poesia

Não demorando muito para eu entender

Que com muita folga Ele tinha ganhado

E que a poesia mais linda era você.

 



Escrito por um feij@o às 22h52
[] [envie esta mensagem]


 
 

No frio, melhor café ou agasalho?

No domingo, vai dar praia ou churrasco?

Na chuva, se proteger ou se molhar?

 

Na dúvida, você (pra não errar)

 

 



Escrito por um feij@o às 21h53
[] [envie esta mensagem]


 
 

Querido diário

 

      Hoje, domingo, foi um dia de, vamos dizer... aprendizado. Começou com eu acordando já cheio de sono, pois, como de costume, dormi menos do que  realmente precisava. Acordei cedo para sustentar um dos poucos vícios que ainda mantenho, o vôlei.

      No 433, sento-me atrás, num dos bancos altos para que possa caber minhas pernas compridas, as mesmas que nesse momento me atrapalham e que depois de alguns instantes me serão bastante úteis. Perto de mim, à direita, está um pai com sua filhinha. A menina não tem mais que cinco anos. Passando perto do passeio público, o ônibus pára no sinal, e ela aponta para fora perguntando ao pai o que era “aquilo”. Ele não consegue identificar o que sua filha aponta, até que... pronto! O pai entende sobre o que a menina quer saber. O moço deitado na calçada, minha filha? É, pai. Ele sentencia: aquele moço está deitado ali, porque... porque está doente. E assim ficou respondido. Mal sabe ele que na tentativa rápida de protegê-la de um assunto tão complexo e desagradável, ao invés de omitir a verdade, disse-a com todas as letras. Sim, é uma doença crônica o que esse homem sujo, largado e pedinte sofre. Doença essa que conta com minha freqüente contribuição. Uma doença chamada descaso. Joguei três partidas seguidas e fui pra casa almoçar.



Escrito por um feij@o às 01h05
[] [envie esta mensagem]


 
 

Ah, esse incômodo...

 

Tem horas que eu quero é ficar sozinho,

Fugir de tudo que me entristece,

Manter distância, buscar sentido

Para essa vida louca que me aborrece.

 

Mas sozinho mesmo é tão difícil ficar!

Sempre me acompanha o medo

E, acima de tudo, eu mesmo,

Do qual é impossível fugir,

Muito menos enganar.



Escrito por um feij@o às 18h28
[] [envie esta mensagem]


 
 

Tudo é tão relativo que a liberdade da flor, por exemplo, é estar presa ao jardim.



Escrito por um feij@o às 03h12
[] [envie esta mensagem]


 
 

VIDA A DOIS

 



Escrito por um feij@o às 01h36
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
Licença Creative Commons
Feijoada de Ideias está sob uma Licença Creative Commons.



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Homem, Gosto de ler, ir ao teatro, cinema...
MSN - fabiomorfeus@ibest.com.br


HISTÓRICO
 01/12/2006 a 31/12/2006
 01/11/2006 a 30/11/2006
 01/09/2006 a 30/09/2006
 01/08/2006 a 31/08/2006
 01/07/2006 a 31/07/2006
 01/06/2006 a 30/06/2006
 01/05/2006 a 31/05/2006
 01/04/2006 a 30/04/2006
 01/03/2006 a 31/03/2006
 01/02/2006 a 28/02/2006
 01/01/2006 a 31/01/2006
 01/12/2005 a 31/12/2005
 01/11/2005 a 30/11/2005
 01/10/2005 a 31/10/2005
 01/09/2005 a 30/09/2005
 01/08/2005 a 31/08/2005
 01/07/2005 a 31/07/2005
 01/06/2005 a 30/06/2005
 01/05/2005 a 31/05/2005
 01/04/2005 a 30/04/2005
 01/03/2005 a 31/03/2005



OUTROS SITES
 MEU ORKUT
 amigos até na net
 aquilo mesmo
 cancioneiro sem rima
 cardiograma
 compilação de ecos
 cyber letras
 espaço poesia
 eterno interno
 faces bell
 firulas do fulano
 flog da vê
 idéias e histórias
 mensagem da garrafa
 mistérios de pandora
 movimentos dissimulados
 não pensamos zipados
 o armário
 palavras que sangram
 poemas imaginários
 poemas sórdidos
 poetisa brasileira
 redes-cobertas
 sanatório Geral
 silly Girl...
 sil's place


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!